ANDES-SN divulga Carta de Belém do 38º Congresso

2019-02-07T11:24:32+00:0007 de fevereiro de 2019|

A diretoria do ANDES-SN divulgou nessa quarta-feira (6) a Carta de Belém, documento síntese do 38º Congresso do ANDES-SN. O evento foi realizado na Universidade Federal do Pará (UFPA), entre 28 de janeiro e 2 de fevereiro. Teve como tema central “Por Democracia, Educação, Ciência, Tecnologia e Serviços Públicos: em defesa do trabalho e da carreira docente, pela revogação da EC/95”.

Durante seis dias, 598 participantes, entre delegados, observadores e convidados, discutiram e deliberaram sobre as políticas que orientarão as lutas da entidade no próximo período.

“O Congresso reafirmou a concepção de sindicato classista e pela base com ampla democracia interna na esteira da história do Sindicato Nacional, além de sinalizar, desde a sua mesa de abertura, a necessidade de construção da ampla unidade entre diversas entidades da classe trabalhadora em luta contra as medidas que intensificam a retirada de direitos”, destaca a Carta.

O documento ressalta que os debates do Tema 1, sobre conjuntura, apontaram a compreensão da categoria de que o inimigo de classe é único. “Essa constatação foi categórica no conjunto das intervenções ao explicitar que as ações do governo federal, apontando amplos retrocessos, são expressão do projeto do capital”, registra.

A Carta de Belém traz os principais debates e resoluções do 38º Congresso tanto para o Plano Geral de Lutas da categoria docente como para o Plano de Lutas dos Setores do Sindicato Nacional. Lembra também a participação dos congressistas do ato nacional realizado nos estados, no dia 31 de janeiro, em defesa dos direitos dos povos indígenas.

Destaca a homologação da incorporação do Sindiprol-Aduel como seção sindical do ANDES-SN, expressão da força do movimento docente e da necessidade de intensificar o trabalho de base. E ainda a deliberação pela realização do 39º Congresso do Sindicato Nacional na Universidade de São Paulo, sediado pela Adusp – Seção Sindical.

O documento é finalizado com o poema de Rui Barata, “Primeiro de Maio”, que celebra a força da luta dos trabalhadores. Confira aqui a íntegra do documento.

Fonte: ANDES-SN

X