ANDESUFSC mobiliza Florianópolis em dia nacional de luta pela educação

2018-12-07T17:00:25+00:0007 de dezembro de 2018|

Nos dias 4 e 5 de dezembro, entidades sindicais em todo o país se mobilizaram para denunciar e enfrentar os ataques à educação pública, gratuita e de qualidade. O Dia Nacional de Luta e Mobilização em Defesa da Educação foi convocado pelo ANDES-SN. Em Florianópolis, a ANDESUFSC organizou uma série de atividades que debateram a questão com docentes, estudantes e comunidade.

De acordo com a presidente da seção sindical, Adriana D’agostini, a grande adesão dos professores representados pela seção sindical mostra que a categoria não está apenas atenta aos perigos, mas está ajudando a construir a resistência. “Este é um momento que a força das nossas ações virá da união da categoria. Como educadores, temos a responsabilidade de dialogar com a população e apontar outros caminhos”, afirmou.

Panfletagem

Durante os dois dias de mobilização, docentes fizeram um intenso trabalho de panfletagem. No dia 4, a ação aconteceu nas proximidades de duas instituições no centro da capital: o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e no Instituto Estadual de Educação (IEE).

O trabalho também foi realizado em frente à Escola de Educação Básica Simão José Hess. Os professores entregaram folhetos com explicações sobre os projetos que podem afetar a vida de estudantes, pais e docentes a partir de 2019, além de conversarem diretamente com a população sobre os perigos que rondam a educação.

No dia 5 de dezembro, o mutirão de panfletagem também foi realizado próximo à Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Para acompanhar a iniciativa, professores também organizaram algumas oficinas artísticas e culturais.

Debate sobre futuro das políticas educacionais

Na noite de 5 de dezembro, as mais de 100 cadeiras do auditório Tito Sena, na UDESC, foram ocupadas por pessoas que compareceram para acompanhar o debate O que enfrentaremos nas políticas educacionais a partir de 2019?

A mesa da atividade foi composta pelo membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais e Sociais (GEPPES) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) João Batista Zanardini, e pelo professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Mauro Iasi, renomado pesquisador com ênfase em política e educação popular.

Os presentes debateram possíveis caminhos para enfrentar o obscurantismo das propostas para o sistema educacional que, até o momento, foram pautadas apenas no desejo de orquestrar perseguições políticas e – como já disse claramente o presidente eleito – acabar com todos os ativismos.

Os desafios se mostram mais complexos do que os impostos pelo Governo Temer porque, desta vez, não se trata apenas de combater a implantação de um projeto de educação voltado ao mercado. A luta dos docentes, e de todos aqueles que se preocupam com a educação, será para frear o plano de enfraquecer a democracia no ambiente educacional por meio da coerção e da violência institucional – utilizando, sobretudo, o uso de vias judiciais para legitimar o cerceamento à liberdade de cátedra e de expressão.

Fonte: ANDESUFSC

X