Diversas entidades que representam servidores estaduais e municipais de Santa Catarina realizaram ontem (4) a Assembleia Unificada em Defesa do Serviço Público, como resposta aos retrocessos que o governo estadual pretende implementar, mas que refletem também no serviço público municipal (em especial a Reforma da Previdência local).

A plenária aprovou duas moções: uma de apoio à greve dos trabalhadores do serviço público do Paraná e do Rio Grande do Sul; e a outra direcionada ao governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, solicitando que receba os servidores estaduais.

Também foi aprovado indicativo da necessidade de debater e organizar uma greve geral para o próximo ano.

Os servidores estabeleceram um calendário para o plano de ação unitário do serviço público estadual:

– Uma atividade no dia 12 de fevereiro, na Câmara dos Deputados;

– A construção da luta das mulheres no dia 8 de março;

– E o dia 18 de março como uma data nacional de paralisação, mobilização, protestos e greves.

“O atual momento exige a mobilização e a unidade na luta contra o desmonte do Estado brasileiro e contra todas as ações que ferem os princípios constitucionais, retiram direitos e tentam reduzir ao máximo o atendimento à população”, afirmou a presidente da ANDESUFSC, Adriana D’Agostini.

Os servidores e serviços públicos tornaram-se o alvo das diferentes esferas de governo. Todas as medidas de cortes impactam setores fundamentais à sociedade brasileira, como a educação e a pesquisa.

Em âmbito estadual, a Aprudesc, que é uma seção sindical do ANDES-SN, está mobilizada e engajada na luta contra o desmonte da previdência no estado.

A ANDESUFSC apoia as lutas dos servidores de Santa Catarina contra os desmanches proposta pelo governo estadual.

Fonte: ANDESUFSC