É duro ser mulher em Santa Catarina. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do estado, até o dia 18 de fevereiro as autoridades registraram a média de um feminicídio por semana em 2019.

Os números já são maiores do que o mesmo período do ano passado, que foi um ano particularmente violento para as mulheres do estado. Em 2018, foram 45 assassinatos motivados pela misoginia, 21.147 lesões dolosas e 689 tentativas de estupro.

Com o fortalecimento de discursos políticos que incentivam a brutalidade e desdenham da discriminação de gênero como uma forma de violência estrutural na sociedade, o Brasil se torna um país cada vez menos seguro para mulheres.

No dia 8 de março, o Brasil vai parar com o movimento da classe trabalhadora em defesa da vida das brasileiras e em favor de um país democrático e livre, que não legitime o machismo e nem se omita diante das desigualdades.

A Greve Internacional das Mulheres 2019 terá atos em todo o país. Em Florianópolis, a ANDESUFSC participará da mobilização em repúdio a toda forma de opressão.

Todos os docentes filiados à seção sindical, independente do gênero, estão convidados para comparecerem e somarem vozes a esse movimento. Garantir uma sociedade mais equânime e segura para mulheres é um dever de todos que se posicionam contra qualquer condição de exploração!

Programação da Greve Internacional das Mulheres em Florianópolis

Todas as atividades irão acontecer em frente ao Terminal de Integração do Centro (TICEN), que se localiza na Avenida Paulo Fontes, 705, no centro da capital.

Durante todo o dia, das 6h às 18h, o espaço será tomado por rodas de conversa, tendas temáticas, ações de panfletagem, confecção de camisetas e apresentações artísticas e culturais.

A partir das 18h30, começará a concentração da Marcha 8Marielle. A caminhada, que leva o nome de Marielle Franco e a memória de sua infindável luta pela democracia e pelos direitos humanos, terá o lema Vivas, livres e resistentes! para lembrar que liberdade é um conceito coletivo, que só pode ser alcançado quando todas as mulheres e suas subjetividades puderem ocupar qualquer espaço com respeito, segurança e dignidade.

Fonte: ANDESUFSC