Docentes, servidores técnico-administrativos e estudantes se reuniram nesta sexta-feira (9) na Assembleia Unificada, convocada pela Comissão de Mobilização Unificada da UFSC. O evento abordou três pontos de pauta: a situação financeira da UFSC,o projeto Future-se e a Greve Nacional da Educação do dia 13 de agosto.

Na assembleia, o reitor da UFSC, Ubaldo Cesar Balthazar, informou que a universidade pode interromper as atividades já em setembro por conta dos cortes orçamentários impostos pelo Ministério da Educação (MEC). Na UFSC, o corte foi de 35% da verba destinada ao custeio de despesas como água e luz.

Não há dúvidas de que se trata de uma política deliberada de sufocamento das instituições para obrigar a implementação do Future-se, que pretende entregar a gestão das universidades ao capital privado por meio das Organizações Sociais (OS).

Não faltaram críticas ao Future-se durante a assembleia. A mercantilização da educação, a falta de autonomia das pesquisas científicas e a perda da autonomia universitária foram alguns dos pontos duramente questionados no encontro.

O reitor se manifestou contrário ao projeto e ressaltou que o posicionamento oficial da UFSC será definido no Conselho Universitário (CUn), que deve discuti-lo na próxima semana.

Por isso, a Andesufsc irá se aproximar dos integrantes do CUn e ampliar a discussão sobre o Future-se para que a UFSC se posicione oficialmente contra os retrocessos que ele representa.

Por fim, os participantes reforçaram a importância da participação de todos e todas nas atividades da Greve Nacional da Educação do dia 13 de agosto em Florianópolis.

Confira a programação:

7h – Mobilização na UFSC

12h30 – Concentração na Praça da Cidadania – confecção de cartazes e faixas

14h – Saída em direção ao centro

16h – Concentração na Praça da Catedral

17h – Ato Unificado da Greve Nacional da Educação em Florianópolis

Participe e some-se à luta pela educação pública, gratuita e democrática!

Fonte: Andesufsc