Entre 12 e 14 de abril, mais de 1.200 pessoas se reuniram em Brasília para discutir a construção de um projeto democrático, laico e socialmente referenciada para a educação pública brasileira.

O III Encontro Nacional de Educação (ENE) reuniu docentes, técnicos-administrativos, estudantes e representantes de movimentos sociais em uma maratona de debates na Universidade de Brasília (UnB). A Andesufsc esteve presente, e contribuiu levando a experiência local para os debates.

Os participantes debateram a atual conjuntura e a necessidade de um enfrentamento unificado contra os ataques à educação pública, que vem sofrendo com a desqualificação do trabalho docente — vinda de setores que usam a censura e a disseminação de mentiras como ferramentas de coação, com cortes orçamentários e com a implantação de políticas neoliberais, que tentam colocar espaços de construção do conhecimento a serviço do capital.

“A partir da análise da conjuntura, o ENE evidencia qual é o projeto de educação que está sendo implementado pelo capital. Por meio da flexibilização curricular e das avaliações de larga escala, o plano é construir uma formação voltada ao trabalho simples, que escancare as portas para políticas de financeirização da educação. Por isso, a elaboração de um projeto de educação voltado à classe trabalhadora é urgente”, explicou a presidente da seção sindical, Adriana D’agostini, que integrou a delegação de Santa Catarina no evento.

Conclusões de debate preparatório para o III ENE foram norte para contribuições

A delegação da seção sindical compareceu ao evento nacional levando a Carta Política, documento elaborado pelos docentes que participaram do encontro preparatório para o III ENE.

A atividade aconteceu no dia 30 de março, no auditório do Centro Socioeconômico (CSE) da UFSC.

A Carta lista as principais reivindicações locais vistas como prioridades para a pauta nacional, incluindo a revogação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a Reforma do Ensino Médio; o combate ao Escola sem Partido; e o fim do financiamento atrelado a resultados de avaliações externas e em larga escala.

Às vésperas do III ENE, nos dias 10 e 11 de abril, o Seminário Internacional do ANDES-SN abriu as discussões sobre a luta da classe trabalhadora e o futuro da educação superior pública em escala global.

Com o tema Universidade, ciência e classe em uma era de crises, o evento reuniu pesquisadores de países como Argentina e Itália, além do próprio Brasil.

O Seminário propôs debates fundamentais sobre os riscos da mercantilização da educação e das investidas para a privatização total ou parcial de IES públicas, bem como o papel da dívida pública na precarização e no sucateamento que toma conta dos serviços públicos.

As mesas Ciência, tecnologia e Capital e Orçamento público e financiamento da educação superior apresentaram a relação entre problemas sociais e a inserção das universidades na lógica da lucratividade, a partir das experiências na América Latina e na Europa.

Fonte: Andesufsc