Os estudantes brasileiros responderam de maneira inteligente ao pedido de Ricardo Vélez Rodríguez de que a execução do hino nacional nas escolas fosse gravada. A União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES) lançou a campanha #MinhaEscolaDeVerdade. A UBES sugere que, em vez de enviar vídeos do hino nacional para o governo, sejam enviados vídeos que demonstrem a precariedade da educação pública.

Vélez Rodríguez, ministro da educação, pediu o envio dos vídeos na segunda-feira (25). Por e-mail, o MEC solicitou que todos os estudantes e funcionários de escolas realizassem o procedimento no primeiro dia de aula. Após o hino, todos deveriam ler uma carta, que termina com o slogan “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”. A frase foi slogan da campanha de Jair Bolsonaro à presidência da república. Tudo deveria ser gravado e enviado para os e-mails das assessorias de imprensa do Planalto e do ministério. Pressionado, o ministro voltou atrás no dia seguinte. http://www.andes.org.br/conteudos/noticia/apos-tentativa-de-doutrinar-estudantes-velez-rodriguez-recua1

“Será mesmo que a prioridade do Ministério da Educação do nosso país deve ser gravar estudantes cantando o hino nacional?”, questionou o presidente da UBES, Pedro Gorki, em vídeo sobre a campanha #MinhaEscolaDeVerdade. “Convocamos você, estudante, a gravar um vídeo de 1 minuto mostrando os reais problemas das escolas, que é o teto com goteira, a sala de aula sem professor porque não tem salário, a quadra e a bibliotecas fechadas porque não têm manutenção e a escola sem merenda”, completou Pedro.

Muitos estudantes têm participado da campanha. Já foram publicados em redes sociais vídeos de tetos caindo, de goteiras e de escolas tomadas pelo mato, por exemplo. A frustrada tentativa do ministro também foi respondida com humor. Muitas postagens em redes sociais ironizaram a solicitação do MEC, divulgando vídeos de momentos engraçados durante a execução do hino nacional.

Com informações de UBES e UNE. Imagem de UBES.

Fonte: ANDES-SN